Previsão

 
O ano começa mas suspeito saber-lhe o final. Chegarei em dezembro querendo férias. Quebrarei promessas,mas terá sido bom tê-las feito. Magoarei os muito próximos, e serei perdoado sempre. Lerei um livro que me fará ver além mas serei incapaz de sustentar a visão adquirida. Abraçarei minha namorada depois de um pesadelo, numa noite quente de verão. Esquecerei compromissos, mentirei muito, me arrependerei de coisas feitas e das não ousadas.

Farei bem a alguns. Serei vaidoso com frequência. Falarei palavrões. Chorarei escondido. Apontarei a lua, enorme no céu de outono, para a senhora sentada ao meu lado no ônibus.

Terei esperanças e as perderei uma a uma. Serei cobrado. Na mesma proporção com que cobrarei.

Terei vergonha do meu corpo aleijado. Dedicarei um poema para Aline. Sentirei saudades dos amigos distantes. Perderei noites de sono, reclamarei da minha falta de musicalidade e comporei algumas canções.

Terminarei do jeito que começarei: Não me orgulhando de quem sou, querendo mais mesmo sendo tão pouco. E tudo valerá a pena, não porque a minha alma não é pequena, mas porque a vida se agiganta, ocoração se dilata, a vocação não é subtrair os anos mas é reconhecer que o tempo é maior que o espaços, e o amor maior que a solidão!